RSS

terça-feira, 20 de setembro de 2016



Todos os enquantos dispus a ti,
 por medo ou excesso de coragem quis,
 amei e submergi  na vontade.
Dia 05 de Agosto de 2016, aliás madrugada especial, mas as forças do universo não conspiraram muito a favor. Mesmo assim, jamais esquecerei!

terça-feira, 12 de julho de 2016

E todos os versos, cores são para você. Há muito tempo! E eu nas minhas alucinações percorro o mundo querendo encontrar o que eu sei onde está. Tudo líquido!

terça-feira, 21 de junho de 2016

Caramba, faz muito tempo que eu não escrevo por aqui, tenho o hábito peculiar desde da tenra idade de escrever em diários, como sei que as pessoas não utilizam mais esses blogs, irei fazer daqui meu diário virtual.
Hoje aos trinta e poucos anos, sim, já tenho essa idade, mas luto para que pelo menos a minha alma seja o mais jovial possível, então, revendo minhas postagens antigas percebo o quanto mudei, o quanto amadureci. É interessante olhar os instantes passados e perceber amadurecimento.
Muitas coisas aconteceram, devo ter escrito sobre elas em algum lugar, ainda bem que a faculdade da memória nos efetiva como humanos.
Sobre os amores? Ahhh, os amores, tive apenas duas pessoas importantes que duraram o tempo que o amor era real. Na realidade a importância dessas paixões só serviram para que eu percebesse o quanto o D. é importante em minha vida.

domingo, 17 de abril de 2011

A cena mais sensível do filme!

sábado, 11 de setembro de 2010

Poder
Papel, caneta, pincel
O fel da dor,
Desapareceu
Empresta-me as tintas também?
Restos de amor colorido.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Desabafo de uma alma mediocre, tristeza!

 Hoje respirei fundo, após tecer pensamentos conflituosos, ora racionais, ora tão românticos que chegam a ser insanos, resolvi que vou deixar de amá-lo. Vou sim, preciso conseguir. Esse sentimento que nem eu sei ao certo distinguir, me aprisiona e me escraviza, sentimento este, solitário e tão meu quanto os meus sonhos e minha vontade... Suas desculpas, fazem minha alma sangrar, sangue cor carmim, a mesma cor dos seus lábios, que outrora admirei,  seu rosto é o que mais lembro... Estou tão cansada, estou doente. Tu talvez sejas apenas, um acalento para o meu coração, tão machucado, para meu corpo debilitado. Por todos estes anos tu fostes o perfume doce e cítrico, que penetrou em minhas entranhas e me fez sorrir. Porém, hoje nada mais é que a lembrança mais querida e mais odiada. Sou a única culpada!


terça-feira, 6 de julho de 2010

Músicas favoritas!


The Cure - Pictures Of You

I've been looking so long at these pictures of you
that I almost believe that they're real
I've been living so long with my pictures of you
that I almost believe that the pictures are all I can
feel

Remembering you standing quiet in the rain
as I ran to your heart to be near
and we kissed as the sky fell in
holding you close how I always held close in your fear
remembering you
running soft through the night
you were bigger and brighter and whiter than snow
and screamed at the make-believe
screamed at the sky
and you finally found all your courage to let it all
go

Remembering you fallen into my arms
crying for the death of you heart
you were stone white
so delicate
so lost in the cold
you were always so lost in the dark
remembering you
How you used to be slow drowned
you were angels so much more than everything
oh hold for the last time then slip away
quietly open my eyes
but I never see anything

If only I'd thought of the right words
I could have held into your heart
if only I'd thought of the right words
I wouldn't be breaking apart all my pictures of you

Looking so long at these pictures of you
but I never hold into your heart
looking so long for the words to be true
but always just breaking apart my pictures of you

There was nothing in the world that I ever wanted
more
than to feel you deep in my heart
There was nothing in the world that I ever wanted
more
than to never feel the breaking apart all my pictures
of you


The Cure - Retratos de você

Eu tenho estado olhando há tanto tempo para suas fotos

Que quase acredito que elas são reais
Eu tenho estado vivendo há tanto tempo com suas fotos

Que quase acredito que essas fotos são
Tudo o que consigo sentir
Lembro de
Você parada quieta na chuva
Enquanto eu corria para ficar junto do seu coração
E nos beijamos enquanto o céu desabava
Te abraçando forte
Como sempre te abracei quando você tinha medo
Lembro de
Você correndo levemente pela da noite
Você era maior, mais brilhante e mais ampla que a neve

E gritava como brincadeiras de faz de conta
Gritava para o céu
E você finalmente encontrou toda a coragem
Para deixar tudo para trás
Lembro de
Você caída em meus braços
Chorando pela morte do seu coração
Você era uma pedra preciosa
Tão delicada
Perdida no frio
Você estava sempre tão perdida na escuridão
Lembro de
De como você costumava ser
Introspectiva
Você era como os anjos
Bem mais que tudo
Abraçou pela última vez então escapou silenciosamente

Abro meus olhos
Embora nunca mais vejo nada
Se eu ao menos tivesse pensado
Nas palavras certas
Eu poderia ter me agarrado ao seu coração
Se ao menos eu tivesse pensado nas
Palavras certas
Eu não estaria fazendo em pedaços
Todas as fotos que tenho de você
Eu tenho olhado há tanto tempo para essas fotos suas
Mas eu nunca agarrei seu coração
Tenho procurando há muito tempo pelas palavras que
tornam tudo real
Mas apenas fazendo em pedaços, sempre
As fotos que tenho de você
Não houve nada neste mundo
Que eu mais desejei
Do que te sentir profundamente em meu coração
Não houve nada neste mundo
Que eu mais desejei
Do que nunca ter feito em pedaços
Todas as fotos que tenho de você




Eternizando palavras....


-->

                                                             
                                     Manaus 12 de Junho de 2010


Amiga,
                                     
O amor é colorido

Morena que emana alegria
moça que reluz energia
Que bom que foste despertada
Despertada ao amor
Bem vinda ao mundo dos enamorados e sonhadores.
Sente-se,
aprecie, experimente.
Deixe emergir, aflorar
transbordar!
Hoje tudo é mais colorido,
a cor envolta em sentimentos
o azul, a existência, a alma
o verde, um olhar sincero.
o vermelho, aquece o coração, porque não?
o rosa, doce, feminino
o violeta, ideal e racional
o amarelo, o sol dos domingos agradáveis
o laranja , instantes límpidos, claros e precisos.
Preenchida a tela de sua vida,
viva, exista, ame...Enfim, seja feliz!

                                    






                                                                                                                                                           
Manaus 11 de Junho 2010


Nilson,

Tua existência é essencial, labor, suor, vitórias, amor, lágrimas, poesia, cores, muitas cores, tudo isso faz parte de tua vida, de nossas vidas. O movimento é tão intenso, tão necessário, esta busca pela felicidade, já que é para isso que estamos aqui, por isso eu creio, que temos esta contagem em horas, dias, meses e anos, tudo se move para perecer é certo, mas antes de perecermos em definitivo construímos um legado que emana essencialmente da nossa faculdade de sentir .
Sentir, nascemos para sentir, vê como tudo faz parte de um mesmo conjunto, de um mesmo círculo?! Movimento cíclico de sentimentos, que vão e vem, em um ordenamento extraordinário, o jogo dos opostos é perfeito: ódio- amor, luz- escuridão, dia-noite, quente- úmido, a vida realmente é fascinante e vale a pena. E tu fazes parte desta harmonia, com teus sonhos e obras, enfim, com tua construção, lembras do habitar poeticamente? Tu és um homem que efetivamente existe, cheio de metas, propósitos e acima de tudo ações, saiba que o admiro imensamente, parabéns por sua excepcionalidade e essência. Parabéns, por este dia, dia em que tu fazes 25 anos de caminhada e construção. Espero poder compartilhar muitos anos mais contigo, afinal já são quase 7 anos (quanto tempo, não?). Amo-te verdadeiramente.

De tua admiradora de todos os instantes.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Presente mais que especial...

Amiga Sartreana

Mais uma colherada de vida
De um sabor doce que derrete
Vai misturando com a saliva
Em meio a conversa que me aquece

Mais noite avistada
De um sorriso que esconde
Foi jogando com a rotina
Com seus amigos vai longe

Me pediu para esquecer...
Me pediu para não contar...
Agora, me pede para escrever

Mas, ela não gosta de rima
Não quer "frescura", nem floreio
Ela não pensa em ser fina
Muito menos em dinheiro
Estar ao seu lado é estressante
Sempre que diz: "-Eu sou é punk!"

Parou de colorir os cabelos
Já que em sua tela não cabiam espelhos
Passou a pintar a sua parede
Seu quarto tem outras formas e cores
Em seus pés os mesmos sapatos vermelhos
Vão deixando um novo rastro de flores

Me pediu para ter cuidado
Me pediu que ficasse ao teu lado
E me disse confusas verdades
Para aprendermos do que é feita a amizade. 


Apoena Grijó

quinta-feira, 13 de maio de 2010

--> -->

Hoje acordei com uma imensa vontade de escrever, falar, dizer, enfim expressar-me, expressar meu denso pieguismo, este pieguismo que tanto está impregnado em mim. Purgar o ódio sentido nesse instante, coisas do dia-a-dia que me exaurem de certa maneira, pessoas medíocres que consomem minhas forças, a insônia... Pus tua foto como plano de fundo do computador, ela me trás calma, um mosaico com sua imagem entre as obras de arte que tanto admiro, pois é por ti que o meu coração gela, só por ti... Ao remeter-me às recordações, ao ver sua imagem, nossa imagem... Sinto tão intensamente teu cheiro, ouço tuas palavras, a sensação que nem eu sei o que é, toma meu corpo e eu sorrio sozinha como uma boba... Momentos tão efêmeros e banais para ti, porém para mim tão significativos... o toque suave em suas mãos, o breu da noite, aquela noite em que ficamos tão próximos, ouvir teus gemidos, gemidos ingênuos, vindos somente de nossos toques nas mãos, sem o fulgor de algo mais agressivo, o tempo parou naquele instante, aquele instante foi meu contigo, eu te guardei... nem a tristeza sentida precisamente trinta minutos depois fora capaz de expulsar de minha memória os cinco minutos de amor essencial que vivenciei. Exalto como os filósofos, a faculdade da memória, pois é ela que me permite reviver todos os momentos, a memória que também me faz vagar pelas recordações das horas que se passaram depois da magia daquele instante, seu telefonema do dia seguinte, os outros telefonemas feitos por engano, nossos desentendimentos por infantilidade minha, as coisas que escrevi e por covardia não enviei, pois conheço seu egoísmo suficiente, ele se iguala ao meu, assim sei que eu não suportaria a superficialidade de sentimentos; eu percebo que pus tudo a perder, inclusive o sentimento mais essencial, a amizade... Neste momento escuto a voz sôfrega da Janis, lembro tanto de ti, Cry baby, a música fala de uma mulher disposta a amar, uma amante talvez, uma coisa que jamais teria coragem de transformar-me.... Então, eu me abro ao mundo, porque não? Os sentimentos quando são compartilhados se tornam essenciais.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Mundo atroz que corrói a sanidade, a racionalidade.
Humano, Ser-humano apodrecido, fétido corrompido por paixões vis.
Oh! Força ordenadora eu imploro!
Fazei com que eu chegue a conclusão.
Será que tenho mesmo alma?
Será que ainda tenho esperanças?
Oh não! Sou eu a força ordenadora!
Eu escolho, eu hajo, eu concluo.
Então, talvez eu escolha amar?!
Plantar a semente do amor?!
Séra possível?
Meu Ser angustiado tende a render-se, a perfazer o caminho oposto, o caminho mais fácil.
Assim, sem máscaras, sem rodeios eu talvez promova ao autro a dor, o sofrimento.
Mas, como posso?
A dor em mim é tão intensa.
O sangue escorre em minhas mãos, a dor é desesperadora.  

Te abraçarei para que não sintas como eu.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Recordações de um amor essêncial







 Hoje, revirando minhas agendas antigas encontrei estas palavras... Plavras estas que encheram minha alma de alegria e sonhos...Instantes único cheios de cores e sabores adocicados. Quero eternizá-las...



Erika...

....Sentir e querer muito permanecer junto a ti
Os vales sobrios vão ficando mais distantes
O ser estuprado, o ser encantado para dentro da tua alma
É como andar pela praia numa noite de areia fofa.
É sentir como é bom respirar sem se engasgar
O homem no seu tempo busca pintar sobre a tela vazia do Universo
Com você sei que posso color(ir) a/o infinito e voltar
Isto, é a mais profunda dedicação.
Contigo eu sei que posso até aliviar a minha dor. Eu sei...
Como muitos, nesta vida, subirei mais degraus!
Você me faz sentir o humano como ele deve ser
Cerceia-me de aromas e de querubins
Pareço hoje – que quando ao acordar por estas manhãs-
Me sentir num mundo, cheiro de azul.
Teu cheiro se dispõe a ir cada vez mais norte em mim.
Mergulhar entre nimbos, voar às montanhas, subir com os Celacantos
Lavrar e colher, alimento e energia, meia furada e sapato, eu e Erika.
Como passáros juntando galhos pro seu ninho, sou eu com estas palavras.
Pode parecer coisa de nefelibata, mas é engenharia moderna
Quero que te abrigues em meus pensamentos, e assim, aqueça seus pés.
                                                                                                                                   Nilson


quarta-feira, 7 de abril de 2010





Resposta a você que acredita que ainda é amor.


Você tem medo que eu chore, mas como não chorar?!Choro por ser um Ser angustiado, choro por constantemente procurar repouso em algo externo que idealizo no outro, choro por ter sido tão egoísta e covarde todos esses anos, por de certa forma, aproveitar-me do amor essencial que tu tinhas a oferecer.
Por estes dias, uma amiga elogiou-me por eu ter uma suposta "sensibildade aguçada" respondi que talvez isso fosse a "maldição" que ronda a minha existência, pois sempre quero sentir intensamente, quero amar intensamente, odiar intensamente, quero doar-me realmente e isso me frustra . Mas, estou tentando aprender que o amor se manifesta de diversas formas e ocorre em várias intensidades, o que faz com que quase não me decepcione.
Moço, tudo que vivemos também está guardado em minha memória e em meu coração, tu me amaste de uma forma tão completa e pura que me tornei uma mulher segura, convicta da possbilidade genuína do amor entre o homem e uma mulher, nós materializamos isso. Todos os passos de nossa história de amor foram essenciais à construção do que somos hoje.
Porém, hoje analiso nosso relacionamento como algo que realmente não está mais fluindo, o que resta é uma dependência afetiva de ambas as partes, que se transforma inevitavelmente em amizade. Mas, sei que lá no âmago, nós dois esperamos mais um do outro. Assim, os sentimentos agora vivenciados mudaram, se tornaram inexpressivos, sem vida. Decidi que eu quero realmente encontrar-me, e preciso de um tempo sozinha, talvez outra vez meu egoísmo esteja falando mais alto.Mas, preciso tentar encontrar o que nem eu sei o que é. Não quero nunca enganá-lo, por isso sempre conto tudo para ti, tudo que me aflige, minhas paranóias, medos, paixões, pois creio realmente que a sinceridade é fundamental, talvez por isso, todos admirem a liberdade que cativamos em nosso relacionamento, algo tão inovador para os padrões mortais, não achas?! Ou seja, conseguimos nos desvecilhar dos sentimentos vis que aprisionam a alma. Tenho certeza que jamais esqueceremos!
De sua eterna companheira de amor filial.

quarta-feira, 24 de março de 2010

 
Caro amigo meu
Meu caro amigo
Não desanime com o meu
Meu desabafo, querido!
O amor é Peso
Peso é o amor
Dói e desatina,
Desatina e dói,
Corrói,
o engajamento (Lembras de de meu querido Sartre?)
Engajamento, pesado que in-sustenta a leveza
A leveza do ser.
Que leveza? Tudo é pesado.

Erika Carmo

Manaus 18 de Março 2010
"Nenhum homem é uma ILHA isolada; cada homem é uma
particula do CONTINENTE,uma parte da TERRA; se um
TORRÃO é arrastado para o MAR, a EUROPA fica
diminuída, como se fosse um PROMONTÓRIO,
como se fosse a CASA dos teus AMIGOS ou
a TUA PRÓPRIA; a MORTE de qualquer
homem diminui-me, porque sou
parte do GÊNERO HUMANO.
E por isso não perguntes
por quem os
sinos dobram;
eles dobram
por TI"
(John Donne in prefácio de "Por Quem os Sinos Dobram " de Ernest Hemingway)





Um dia ganho
A estranheza do destino
Destino? Será que isto é mesmo real, racional?
Um rosto iluminado, belo
Mas a dor eu sei que está ali
Tudo fica inerte
e eu só sei sentir
Sentir a aflição.
Que presunção.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Te procuro nos azuis
no coração e no nome
Não encontro nada,
nem teus olhos azuis e tua boca rosada.
Talvez nos azuis que procuro
haja somente o vazio e a escuridão.
Você escondido em outro lugar.
Cores e tons diversos,
para eu nunca te encontrar.

quinta-feira, 11 de março de 2010

8 DE MAIO

 ÀS MULHERES DA MINHA EXISTÊNCIA
Mulheres. Preciso homenagear esses seres especiais e únicos, que existem efetivamente, amam, fazem história, sofrem por amor, criam filhos, sofrem em perdê-los, lutam por seus ideais, fazem arte, são presas às paixões, tornam-se insanas, têm coragem pra suicidar-se, abdicam de si mesmas, doam-se, sofrem violências, lutam... Seres estes, com sensibilidade aguçada e complexa, que lutam todos os dias para demonstrar seu valor. Preciso declarar toda minha admiração e citar algumas destas. Obrigada por existirem: Dona Rosa (minha mãe) mulher excepcional que aprendeu a viver com a cegueira; minha vó D. Francisca sábia em seu sofrimento; Minha vó Tereza que chora por tudo e de quem eu herdei o hábito de comer peixe com as mãos; a minhas tias; a Simone de Beauvoir mulher que expressou o amor desprovido de posse e pensou efetivamente o ser mulher; a amiga e irmã Francinete lutadora determinada; a Hannah Arendt por grandiosidade; a minha amiga Adriana por sua doação completa a família; Camille Claudel por doar-se tanto a um homem a ponto de confundir-se com ele; A minhas colegas de trabalho em especial a Rejeane, Marluce, Keren, Venuzia, Kaelly a Ane futura mãe do Heitor e a todas que passaram pela Emops; a Nalú por sua objetividade e clareza; a Nayara por sua força camuflada de delicadeza; a amiga Cristhiane por inteligência e perspicácia; a Aline por sua história de vida; a Karla por sua vivacidade; a Frida Kahlo tão expressiva em seu sofrimento; a Gloria Perez e a todas as mães por suas perdas; a minha Amanda e Valéria por seu amor puro; a Nany por ser mãe do Lucas; a Cinthia por ser Mãe da Eduarda; a Joyce por sua alma irrequieta; a Clarice Lispector por belas palavras; a Silvinha por sua autenticidade; a Janis Joplin por sua voz; a Alziane por sua amizade eterna; a Madre Tereza pelo amor essencial; a ex amiga Keytte por sua fragilidade; a Maristela pela educadora inata que é; a Luiza por seu perfeccionismo; a Luma por sua perda atroz; a Fernada Takai por seu estilo;A Suzy tão decidida e feliz; a Joyce pelo Rian; a Claudia a skatista, dançarina e mãe; a Adriana Calcanhoto por seu talento;a Lyane por sua voz; a Cindy Lauper por seu estilo colorido; a Di do Bruno por sua história de amor; a Dora, por ser tão batalhadora; a Carla Bruni por sua beleza e voz; a Tarsila do Amaral por proporcionar contemplação estética efetiva; a Anita Malfati por seu talento e alma angustiada; a todas as atrizes que me fazem chorar; a Marci por ter vencido a meningite; a todas as mães de meus amigos e amigas por os terem gerado em especial a D. Tlege por sua história de vida; a todas as mulheres que sofrem com algum mal físico em especial câncer de mama; A Flor Bela Espanca por seu amor visceral; a Cora Coralina por sua poesia realista; a todas minha professoras em especial professora Socorro Jatobá por sua excepcionalidade e sensibilidade; a todas as moças da arte e filosofia Ufam; a todas as musas dos poetas; às mulheres que sofrem qualquer tipo de violência, (que tenham força pra libertar-se); a Colombina por proporcionar identificação e inspiração; a mãe do homem que amo hoje e as dos quais já amei; a Edith Piaf por sua história e voz; a Zilda Arns por sua dedicação ao outro; a Lybia Ventania por mostrar-me aos oito anos de idade, o que era poesia; a Rita Lee; a Nara Leão; a Elis Regina; às minhas amigas de infância; a todas minha primas; a Helena de Tróia, Jocasta, Eurídice, Antígona, Medéia; a Anne Frank por sua história tão sincera e atroz;a todas as mães e esposas dos desaparecidos políticos das ditaduras dos países da América Latina; as mães que sofrem com desaparecimento de seus filhos devido a tráfico humano, tráfico de órgãos, exploração sexual ou pedofilia; a Virginia Woolf por seu “gênio”; às minhas ex futuras cunhadas; as inimigas com as quais aprendi com a derrota; e a todas as mulheres que passaram por minha vida, com suas idéias, cores e existência...

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Ressaca de você!

A poucos dias encontrei-o. Oh não, foi ontem? Ou, hoje? 
Na realidade não sei ao certo.
Estou perdida, o tempo não interessa.
Minha alma, meu corpo, minha mente achara que ao vê-lo, somente vê-lo, seriam saciados... 
Ansiei por tocá-lo, ansiei em ouvir sua voz... 
No outro dia quis ser melhor, outra pessoa, a dor agora sentida é diferente, é solitária, é massante, confunde minhas idéias, porém  me enche de esperanças... 
E a suposta racionalizade que eu insisto em alimentar, imediatamente torna-se paixão, a insânidade reina em mim.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

"O amor não se manifesta pelo desejo de fazer amor (esse desejo se aplica a uma série inumerável de mulheres), mas pelo desejo do sono compartilhado (este desejo diz respeito a uma só mulher)." Milan Kundera - Insustentável Leveza do Ser




terça-feira, 24 de novembro de 2009

Preocupações

 
Pablo Picasso

Debilidade de um corpo que carrega uma alma irrequieta. Assim, sou eu, detentora de responsabilidade angustiante que me consome e me enlouquece a cada dia...

quinta-feira, 19 de novembro de 2009





                                                 Edvard Munch

É certo, que ao nos dispormos a um relacionamento, interação amorosa mais especificamente,  é preciso tentar saber o quê ambos seres são capazes ou não de fazer, ou seja, de que modo as pessoas envolvidas se comportariam em certas situações.
Conflitos são  bastante comuns em um relacionamento. Porém, há um sentimento proveniente da insegurança, que para mim é um dos mais vis produtos de nosso Ser, o ciúme. Note, que o mesmo não é exclusividade dos relacionamentos amorosos, pois vemos casos extremos de ciúme, também entre amigos, familiares e até de coisas materiais.
O ciúme, sentimento que parte de um amor tão pouco sólido, nada mais é que o falta de moderação de nossa essência egoista-altruísta, como afirmo sempre. Lá no âmago de nosso Ser, é ferrenha a luta entre tais forças inerentes a nossa natureza, bem que a inclinação para o lado negativo, é o principal problema, às vezes creio que nem haja o pólo positivo. Nossos interesses, os desejos, são tão mais intensos, as necessidades quase que irracionais exaurem a coerência de nossos atos, a ponto de sermos algozes de quem amamos, de excedermos nossos limites, de transpormos as delimitações do respeito e da individualidade do outro. Pois, quando o ciúme nos tem, o único sentimento provável é o de posse. Eu quero , eu preciso , eu controlo.... Eu, eu, eu, sempre eu. No caso de ciúme, ou da maioria dos sentimentos viciantes,  pessoas, afirmam agir de tal forma, por amarem demais. O “amor” aí expressado é tão somente o desejo de manter as sensações boas, vivenciadas com a presença da outra pessoa, não a vontade de fazer a outra pessoa sentir-se bem, e sim , a necessidade em auto-satisfazer-se. Nesta hora, não se esta interessado no bem estar do outro, isto talvez, é o que menos importe.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

A revolta reina em mim...


quinta-feira, 12 de novembro de 2009

A atemporalidade que reina em mim



Um certo “nefelibatismo” faz parte dos meus instantes. 
Corro dia-a-dia pelo caos de uma rotina estressante. 
Em meio tanta confusão, viajo
Remeto-me a um universo de idéias tão interessantes
lá vejo cores diversas, lilás, rosa, vermelho, amarelo.  
Descubro-me um ser atemporal,pois tudo fica inerte. 
E quando retorno
sempre chego atrasada...


quinta-feira, 5 de novembro de 2009



Arlequim no café- Pablo Picasso
O DESCANTE DE ARLEQUIM

A lua ainda não nasceu.
A escuridão propícia aos furtos,
Propícia aos furtos, como o meu,
De amores frívolos e curtos,

Estende o manto alcoviteiro
À cuja sombra, se quiseres,
A mais ardente das mulheres
Terá o seu único parceiro.

Ei-lo. Sem glória e sem vintém,
Amando os vinhos e os baralhos.
Eu, nesta veste de retalhos,
Sou tudo quanto te convém.

Não se me dá do teu recato.
Antes, polido pelo vício,
Sou fácil, acomodatício,
Agora beijo, agora bato,

Que importa? Ao menos o teu ser
Ao meu anélito corruto
Esquecerá por um minuto
O pesadelo de viver.

E eu, vagabundo sem idade,
Contra a moral e contra os códigos,
Dar-te-ei entre os meus braços pródigos
Um momento de eternidade...


Manuel Bandeira
em Carnaval. 1919.

PIERROT 1918- Pablo Picasso
RONDÓ DE COLOMBINA

De Colombina o infantil borzeguim
Pierrot aperta a chorar de saudade.
O sonho passou. Traz magoado o rim,
Magoada a cabeça exposta à umidade.

Lavou o orvalho o alvaiade e o carmim.
A alva desponta. Dói-lhe a claridade
Nos olhos tristes. Que é dela?... Arlequim
Levou-a! e dobra o desejo à maldade
De Colombina.

O seu desencanto não tem um fim.
Pobre Pierrot! Não lhe queiras assim.
Que são teus amores?... – Ingenuidade
E o gosto de buscar a própria dor.
Ela é de dois?... Pois aceita a metade!
Que essa metade é talvez todo o amor
De Colombina...


Manuel Bandeira
1913 Carnaval 1919.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Propulsores para o "habitar" : Música










Música, propulsor de minha vida, apelo externo que motiva as minhas ações,, que desperta minha faculdade de sentir,  talvez uma paixão, uma paixão que consome a maior parte de meus instantes, porém algo significativo para meu “habitar poeticamente”, como diria o Hölderlin. Música, efetivamente algo que me impulsiona a tentar de fato existir.
Depois da pintura, a música é a forma de expressão de arte que rodeia minhas idéias, motivo de minhas experiências estéticas mais intensas. Meus ouvidos consomem vibrações cheias de sentimentos, dores essências como é o caso Laney Stanley (Alice in Chains), com a música Angry Chair: Loneliness is not a phase Field of pain is where I graze .Serenity is far away...” (Tradução: Solidão não é uma fase. O campo da dor é onde eu pasto.Serenidade está longe...) Sons que nos remetem a sentimentos tão viscerais que nos levam a profunda angústia, angustia esta, sentida através da voz sôfrega do artista. Suas razões talvez não sejam conhecidas e nem vivenciadas por mim, mas são os sentimentos por ele expressados que me revelam certa identificação, a possibilidade em vivenciá-los é o que comove.
          O harmonizar de sons e palavras também nos remetem ao amor, o amor entre amantes, como é o caso do cantor e poeta Arnaldo Antunes, na música, Pedido de Casamento: “Eu só queria ter o nosso cantinho. Meu corpo junto ao seu mais um pouquinho. Tenho certeza de que daria certo. Nós dois sozinhos num lugar deserto...” Esta canção, uma das minhas preferidas, nos revela a delicadeza de momentos vivenciados por duas pessoas que num exato instante sentem-se felizes e completos com a presença um do outro. Sentimento doce e tão necessário ao Ser...
A música nos revela ainda, o sentimento de inconformismo como é o caso dos cantores poetas que fizeram de sua arte arma contra a ditadura, como na música , Apesar de você, do Chico Buarque:
 “Hoje você é quem manda. Falou, tá falado. Não tem discussão. A minha gente hoje anda. Falando de lado. E olhando pro chão, viu. Você que inventou esse estado. E inventou de inventar.Toda a escuridão.Você que inventou o pecado. Esqueceu-se de inventar o perdão”. Vi em uma reportagem com o Chico, onde o mesmo afirmava que nesta época, para burlar os sensores, ele punha nas músicas muitos excessos, ou seja, frases com sentidos explícitos, frases estas que tinha certeza que seriam cortadas, aí só restaria nas letras o que realmente o compositor almejara expressar, protesto sutil em volto em uma subjetividade sólida.
Assim, a música me possibilita experiências estéticas tão essenciais, tão efetivas, onde, transcedo minnha vã existência e sou consequentemente remetida  ao movimento proporcionado pelo sentir.

segunda-feira, 13 de julho de 2009


AMOR BASTANTE

quando eu vi você
tive uma idéia brilhante
foi como se eu olhasse
de dentro de um diamante
e meu olho ganhasse
mil faces num só instante

basta um instante
e você tem amor bastante

um bom poema
leva anos
cinco jogando bola,
mais cinco estudando sânscrito,
seis carregando pedra,
nove namorando a vizinha,
sete levando porrada,
quatro andando sozinho,
três mudando de cidade,
dez trocando de assunto,
uma eternidade, eu e você,
caminhando junto

Paulo Leminski
A virgem - Gustav Klimt


Permita-me sentir


No fundo dos seus olhos encontro a melancolia,
a melancolia de um palhaço que vaga sem rumo
entre cores e sons mascarando a sua dor
com uma alegria tão ínfima e postiça quanto o truque que faz rir.
No fundo dos seus gestos vejo a inquietação de uma criança a brincar
a inquietação que não satisfaz que somente exaure teu corpo e o deixa débil.
No fundo do teu Ser percebo a solidão,
Não a solidão da falta do outro, e sim, a solidão do desencontro de si mesmo.
Mas que ser repugnante sou eu? Tão frágil também.
Como posso presumir algo sobre ti?
Como posso entender-te? Se não entendo nem a mim
Mas sinto, sinto sim, sou ser humano e só sei sentir.
Deixa-me tentar presumir e sentir cada vez mais tua alma aflita
Tu me tocas!
Espero muito que sim.

                                                                                         Erika Carmo